Threads of Fate


Nome: Threads of Fate
Plataforma: PS1, PSN
Gênero: Action-RPG
Desenvolvedora: Squaresoft
Versão Jogada: PS1

Relics são artefatos insanamente poderosos, deixados para trás por magos igualmente poderosos conhecidos como Aeons. A Relic mais poderosa, a do aeon Valen, é procurada por várias pessoas, mas duas delas em especial almejam a relíquia, com propósitos extremamente diferentes. Rue, um menino inocente e misterioso, quer a Relic para reviver um ente querido; já Mint, uma princesa rebelde e irritante, quer a mesma para poder dominar o mundo. Mal sabem eles que a Relíquia de Valen guarda um poder inimaginável...

Este jogo contém uma página de Dicas e Truques.
Mint andando por Carona Forest.



Lançado pela grandíssima Squaresoft em meados de 2000, Threads of Fate é um jogo que destoa bastante do esperado para a produtora, sendo um Action-RPG bastante simples. Você controla Rue ou Mint, que tem estilos de gameplay e história diferentes, e deve prosseguir por várias fases, descobrindo pistas sobre o paradeiro da Valen's Relic e eventualmente realizando passos de um 'ritual' para liberar a relíquia.

O gameplay de Rue é mais focado em combates corpo-a-corpo. Rue é armado com a Arc Edge, um machado vermelho estiloso que pode extrair a essência de inimigos; após matar um inimigo, você pode se transformar nele e adquirir suas habilidades, o que governa grande parte dos puzzles do jogo. Já Mint é focada em magias; você pode escolher entre vários elementos(fogo, vento) e tipos(área, forte) para soltar magias únicas, que por sua vez são indispensáveis em combate e na realização de puzzles. Ambos são bem parecidos, assim dizendo, mas eu achei o jogo com o Rue bem mais fácil.
Mint e sua atitude superior ainda te irritarão. Muito.


Seja lá quem você escolheu, você passará por mais ou menos os mesmos lugares, com poucas diferenças. Você visitará florestas, cavernas, templos assombrados e fortalezas flutuantes, entre outros. Os cenários são legais, usando e abusando das habilidades dos personagens para serem completos, e os inimigos são variados e interessantes. As fases são acessadas pela cidade de Carona, que é o 'hub' do jogo. Em Carona você encontra o Inn, onde se salva o jogo; o atelier do arqueólogo, que é onde você avança a história(quase sempre); um shop onde você compra armas e escudos(mais sobre isso abaixo); outro shop onde você pode vender tranqueiras e comprar upgrades; uma igreja onde você pode doar dinheiro para ganhar Coins; e o Rod, um blacksmith que avança a história e ainda luta com você valendo dinheiro, além de outros lugares menos importantes.
Rue em Underground Ruins, achando que é o Mario.


Elementos de RPG estão presentes por todo o jogo. Apesar do seu personagem ter stats, ele não evolui com experiência, usando um método mais direto de evolução. Sua barra de hp aumenta lentamente à medida que você toma dano, a de mana aumenta quando você usa magias. Para aumentar seu ataque e defesa, você pode comprar equipamentos no Shop; esses equipamentos são simbólicos, você não pode desequipar eles, um mais novo substitui um mais velho, e comprar um no Shop elimina todos os outros inferiores do estoque. Você ainda pode comprar pontos de ATK e DEF no Pawn Shop, mas tem que fazer uma pequena sidequest antes, senão os preços são proibitivamente altos. Com outra sidequest, você pode matar um certo número de certos inimigos e trocar por upgrades, mas isso é desnecessário. As coins supracitadas são os Continues do jogo. Após morrer, coins diferentes te revivem com quantidades de mana diferentes, e a famigerada Platinum Coin aumenta seu ataque e defesa permanentemente além disso.

Jogadores brasileiros acharão mais graça nisso que o resto do mundo. (lolololol)


A história de ToF é bem legal, apesar de ser simplista. O jogo tem alguns Plot Twists, mas eles são geralmente bem óbvios e não muito surpreendentes. Os personagens são adoráveis; Rod é do tipo 'vagante solitário', Rue só tem sofrimento na vida, e a Mint é uma desgraçada, mas fica melhor até o fim do jogo. Os coadjuvantes principais, como os vilões Doll/Psycho/Mode/Trap Master, Belle, Duke e Fancy Mel são bem desenvolvidos, cada um com sua historinha dentro da história principal, e eles com certeza deixarão boas memórias(e um pouquinho de raiva). A história é diferente dependendo de quem você está controlando, mas não muito; a única coisa que realmente muda é uma fase específica(Rue vai para Ghost Temple, Mint para uma floresta em certa parte do jogo), alguns eventos e principalmente o ending, que muda radicalmente para os dois.

Os gráficos do jogo são bons, mas já era de se esperar, vindo da Square. Os cenários são bem coloridos e alegres, os personagens são bem modelados e os inimigos são muito criativos. Alguns defeitos estão presentes, claro, como collision detection, que por algum motivo torna os pulos incrivelmente difíceis em alguns lugares; mas não é nada frustrante ou feio, por sorte. A trilha sonora é agradável, mas sem grandes momentos memoráveis. As melodias do Rue são mais sombrias e tristes, enquanto as da Mint são alegres e vibrantes, criando uma distinção sonora legal.

Chata pra caralho, hein Mint? : |

Por fim, Threads of Fate é relativamente grande. Se você contar as duas campanhas, incluindo todas as sidequests e magias da Mint, leva por volta de 12-15 horas para ser completo. Apesar disso, o fator replay não é lá muito grande; você terá pouco incentivo para voltar aqui depois de zerar. ToF é um jogo excelente, mas você pode gastar seu tempo com alguns jogos melhores, como Brave Fencer Musashiden, da própria Square.


PONTUAÇÃO:

Gráficos: 8
Som: 7
História: 7
Gameplay: 9
Fator Replay: 5
Dificuldade:  5
Raiva da Mint: 9


NOTA: 7.5/10

1 comentários:

  1. Cesar disse...:

    Até hoje um dos meus RPG's favoritos.

Postar um comentário